RELAÇÃO ENTRE ARTE, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS

RELAÇÃO ENTRE ARTE,  CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS

A cidadania pressupõe uma participação activa naquilo que a definição da política deve reflectir, visando o bem da colectividade. Engajar-se na vida pública, e a arte é uma ferramenta crucial para a formação de ideias e para a busca pela harmonia social.

Observatório da Imprensa – Malanje (OIM): Para começar, qual é o seu comentário sobre a relação entre arte e cidadania?

Claúdia Fical (CF): Para compreendermos a relação entre arte e cidadania, devemos conceber o que é arte e o que é cidadania. A relação é a conexão, vínculo ou a ligação que alguém estabelece com outra pessoa, ou entre uma pessoa e um lugar ou alguma coisa. A arte, por um lado, é a actividade humana, ligada à manifestação, quer estética ou comunicativa que é realizada através da variedade de linguagens – a poesia, a dança, o teatro, a escrita, a música, a pintura, o cinema – tudo com intuito de expressar emoções e ideais. Por outro lado, a cidadania constitui um conjunto de direitos e de deveres que o cidadão exerce numa determinada sociedade de forma a intervir e transformá-la. Assim sendo, a relação entre a arte e cidadania vai da conscientização e humanização do comportamento de indivíduos numa determinada sociedade.

Sabe-se que a poesia tem um papel importante. Desde os primórdios, mesmo nos momentos durante a independência de Angola, vários escritores faziam poesias de intervenção em prol da libertação, como António Agostinho Neto, Viriato da Cruz e outros. E, hoje, temos grupos que fazem poesia de intervenção com temas interessantes para a sociedade, para conscientizar e transformar mentalidades, como por exemplo, falar do racismo, do preconceito. Poesias com temas que visam despertar o público para o amor, o respeito e a valorização da cultura africana com um pensamento novo, regenerado e melhor.

OIM: Após as independências africanas, ainda é pertinente falar-se de corrupção e injustiças sociais no âmbito da poesia?

CF: Claro. Existem outros poetas que também abordam os problemas actuais da sociedade que enfrenta a fome, as injustiças, a corrupção, o desemprego, de todos os males que afectam o cidadão. O poeta não está isento desses desafios; ele também sente o impacto e, por meio da arte, procura transformar a realidade. Como uma recomendação para o público e o Estado.

OIM: O conteúdo da poesia pode contribuir para o crescimento da consciência crítica dos cidadãos?

CF: Basta olharmos para a sociedade que temos agora. Antigamente, as pessoas não tinham um espírito tão crítico, nem uma capacidade tão grande de reflexão, mas, desde então, as pessoas têm reflectido muito. Tem-se realizado muitas poesias de intervenção, com o objectivo de conscientizar mentes e humanizar o comportamento das pessoas por meio da arte. Este processo todo, principalmente com o surgimento de novas organizações, como a ‘Muhatu’ – uma organização feminina com a perspectiva de produzir poesias de intervenção – ajuda a moldar comportamentos, a forma de pensar e agir.

OIM: Como é que olha para o ambiente de Malanje? É favorável ao exercício da poesia?

CF: Gostaria de dizer que sim, mas infelizmente não. Não porque, se fosse favorável, os poetas sentir-se-iam livres de expressar as suas emoções e ideais. Se não se sentem livres o suficiente para se expressarem, então o ambiente não é favorável. É insalubre. Não há tolerância, nem respeito pelas diferenças de opiniões. Quando os artistas elaboram textos poéticos sobre questões reais e contextuais, como a fome, a pobreza, o desemprego, a corrupção, são vistos como supostos ‘revús’. É difícil para os poetas porque o ambiente deixa de ser saudável.

OIM: Conhece algum poeta ou poetisa que passou dificuldades e teve de deixar de exercer a sua arte?

CF: Conheço vários poetas que pararam de escrever. O poeta expressa através da sua arte o que vive e observa, situações que mexem com o nosso íntimo. Esses poetas tinham essa linhagem, de falar e denunciar actos do género. Infelizmente, uns foram aconselhados a não escreverem mais com essa perspectiva. Outros deixaram de ser convidados para alguns eventos e são considerados de ‘revús’. Ficam de parte.

OIM: O artigo 43º da Constituição da República de Angola estabelece: “É livre a criação intelectual, artística, científica e tecnológica”. Como analisa este artigo?

Manu Nkrumah (Rapper) e Claúdia Fical (Poetisa).

CF: A lei concebe a liberdade de criar, produzir e divulgarmos as nossas obras, seja no âmbito científico, literário ou artístico. São direitos fundamentais consagrados pela constituição, conferindo ao cidadão a abertura para exercê-los.

OIM: Qual é o seu comentário final?

CF: Gostaria de dirigir-me ao nosso público, sejam indivíduos ou grupos, para expressar que nós, poetas, às vezes nos entristecemos ao perceber que os artistas da nossa área são por vezes vistos apenas como pessoas que sobem ao palco para entreter. Embora isso faça parte do nosso trabalho, a poesia tem objectivos mais profundos. Não somos palhaços cujo propósito é simplesmente fazer as pessoas rirem. Quando participamos em eventos, o nosso objectivo é conscientizar e transformar mentes, despertando nos nossos ouvintes um espírito criativo e de reflexão. Através dos nossos textos e declamações, esperamos que o público consiga retirar lições de vida.

O António Pinto, conhecido pelo nome artístico Manu Nkrumah, é rapper. Ele tem realizado espectáculos na sua província natal, Malanje, e noutras províncias do país.

Observatório da Imprensa – Malanje (OIM): Qual é o seu comentário sobre a relação entre arte e cidadania?

Manu Nkrumah (MN): A cidadania pressupõe uma participação activa naquilo que a definição da política deve reflectir, visando o bem da colectividade. Engajar-se na vida pública, e a arte é uma ferramenta crucial para a formação de ideias e para a busca pela harmonia social. Ela desempenha um papel fundamental na denúncia social. Não se forma um cidadão sem informação, e a arte serve como um veículo para a transmissão de ideias, compartilhando experiências e vivências. Nos países mais desenvolvidos, observamos que o progresso artístico está ligado ao desenvolvimento económico. No rap, a denúncia sempre esteve presente. O rapper, como parte do movimento Hip Hop, é uma das ferramentas a favor da luta dos povos oprimidos. Em lugares onde as pessoas não têm liberdade na criação artística, a cidadania pode encontrar-se num estado de reclusão, com cidadãos temorosos e inibidos de participar da vida pública. Isto é particularmente evidente em sociedades autoritárias, onde há um investimento significativo na manutenção do desconhecimento. Quando a arte, enquanto ferramenta de transmissão de conhecimento, produção de ideias e formação de consciência colectiva, está inativa, então a cidadania encontra-se em modo voo.

OIM: Como o olha para o ambiente de Malanje? É um contexto que favorece o exercício da arte musical rap?

MN: Existem espaços alternativos e locais de manifestação artística, com as redes sociais a desempenhar um papel significativo na divulgação de eventos. Geralmente, os rappers, dentro do movimento, adoptam uma abordagem musical underground, fora dos padrões convencionais. No entanto, é preciso salientar que alguns conseguem encontrar espaço, alinhando-se com uma agenda mais voltada para o entretenimento superficial. Os artistas que são excluídos são aqueles que têm conteúdo que despertam a consciência da juventude, que denunciam os saques, a corrupção, o tráfico de influência e a necessidade de se lutar por uma Angola melhor. Estas músicas não são bem-vindas. Nesse sentido, há uma divisão. Nalguns espaços são filhos alimentados pelo regime e outros não são tidos nem achados porque a sua arte confronta o regime.

OIM: O Artigo 43º da Constituição da República de Angola, enuncia que “É livre a criação intelectual, artística, científica e tecnológica”. Este artigo tem respaldo real?

MN: A nossa constituição contém m conjunto de palavras mortas. Na realidade, não se fazem sentir e não têm aplicação. A constituição diz que há liberdade de criação, mas a prática diz outra coisa. Há escritores que vêm as suas obras a passar pelo Índex. Obras que são proibidas no sector público, como “Para aonde vai Angola”, de Domingos da Cruz; a obra “Diamantes de Sangue”, de Rafael Marques…Há um conflito gritante entre o que está escrito na constituição e a prática.

OIM: Quais são as grandes dificuldades que enfrenta, enquanto artista aqui na província de Malanje?

MN: A ostracização. A exclusão baseada no conteúdo das nossas músicas e na nossa arte, somente porque ofende determinadas pessoas. Não ofende por ser, realmente, uma ofensa, mas porque põe em causa a integridade moral de alguns ouvintes. À medida que escutam as nossas músicas, questionam-se sobre o cumprimento da sua própria função. Muitos artistas, por esse motivo, não são bem-vindos. Esta é uma das grandes dificuldades que enfrentamos e que nos limita no acesso aos palcos.

Entrevista conduzida por Agostinho Cândido Quimbanda.

RELACIONADOS:
Quantas pessoas são necessárias para derrubar uma ditadura (de acordo com a ciência)

Estudo conduzido por pesquisadora americana mostrou que 3,5% da população precisa protestar (e é suficiente) para derrubar uma ditadura. A luta dos sindicatos agrupados na federação sindical Solidariedade na Polónia Leia mais

DIREITO À MANIFESTAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO ANGOLANO

“Estamos num Estado onde não se cumpre as leis; (…), com agentes policiais sem conhecimento das normas para com os cidadãos, mas que servem os interesses do partido-Estado” Agostinho Quimbanda Leia mais

Direito de reunião e de manifestação na ordem jurídica internacional

Manuel Ngangula*ǀNo plano internacional, a Declaração Universal dos Direitos Humanos situa-se no topo da hierarquia quanto a matéria de direitos do homem visto no plano imanente – como direitos inerentes Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *