[:pt]Angola: pseudoprofetas entre a promiscuidade, abusos e violações (2/3)[:]

[:pt]Angola: pseudoprofetas entre a promiscuidade, abusos e violações (2/3)[:]

[:pt]

Emanuel Matondo│No sentido de percebermos a problematíca, devemos dar uma olhada aos anos 1990, particularmente em 1992 – após “a abertura do espaço político e cívico”, descrito em Angola, pouco antes das primeiras eleições realizadas neste país. Já antes deste período de trégua e com relaxamento no horizonte em Angola, após os acordos de Bicesse, houve uma grande corrente de chegada de refugiados angolanos da República do Zaire, que mais tarde se tornou RDCongo. Devido à crise política e às dificuldades sociais que afetaram o país vizinho, na época também governado por um ditador, o falecido Mobutu Sese Seko, vários cidadãos da República do Zaire fizeram o seu caminho para Angola, muitos deles procurando oportunidades para melhorar um pouco a sua situação económica e a das suas famílias na sua terra natal ou, para encontrar uma maneira de emigrar para outros «céus» mais seguros. Embora a guerra tivesse recomeçado em Angola, após o fracasso das primeiras eleições de 1992, alguns cidadãos do ex-Zaire, o atual RDCongo, permaneceram lá participando nas várias actividades de pequeno comércio, que incentivou a troca de mercadorias entre os dois países vizinhos.

Note-se que já na RDC, ainda Zaire, nas décadas de 1980 e 1990, o chamado “movimento de renovação espiritual” que terá surgido nos Estados Unidos da América, por volta do ano 1906, tornou-se um “movimento carismático” ou “movimento de renovação carismática”. Esse «movimento religioso é caracterizado pela importância dada ao Espírito Santo, capaz de despertar sinais, em particular o canto das línguas ou glossolalia – o facto de pronunciar uma série de sílabas incompreensíveis que podem fazer alguém pensar em uma língua estrangeira. Esses “carismas”, que evocam os recebidos pelos apóstolos no Pentecostes, são todos dons espirituais.» Falar em línguas como os apóstolos de Jesus Cristo tornou-se o símbolo de ter recebido o Espírito Santo, o que significava ter um dom espiritual. O que é realmente ridículo, ao visitar diferentes locais de culto desse movimento religioso, é que ouvimos as massas repetirem e recitarem as mesmas sílabas do que elas afirmam ser a linguagem espiritual, como foi o caso do Pentecostes com os apóstolos. As histórias surgem do zero, não há nada do Espírito Santo por detrás, porém elas conseguem convencer as massas, entre as quais pessoas mergulhadas em angústia e desespero ou em situação de crise – e num estado fraco e fáceis de manipular. Assim, os líderes activos desse “movimento espiritual”, de repente tornaram-se “gurus”, nos quais os seus adeptos confiam e em quem acreditam.

No início dos anos 90, esse “movimento de renovação carismática” começara a causar danos irreparáveis na República do Zaire. Naquela época, muitos dos cônjuges costumavam reclamar da influência que os líderes desses grupos religiosos tinham sobre as suas esposas ou esposos, sendo que estes passavam mais tempo nas noites de oração, em locais de culto ou em outras casas particulares dos adeptos. Essas ausências prolongadas da casa conjugal, sob mando de seu pastor-guru, e sem consultar o cônjuge, foram em grande parte a causa da crise matrimonial, que terminou muitas vezes com a desintegração familiar. Se os fiéis, mulheres e homens, não estivessem ausentes por muito tempo da casa conjugal, seriam forçados a ficar em jejum por vários dias. Pouco a pouco, o que começou como a «recepção do dom espiritual» transformou-se numa ideologia religiosa herética. Enquanto isso, no Zaire de Mobutu, surgira outro grupo resultante desse movimento de renovação chamado “Combate Espiritual” e conhecido pelo nome popular de “Igreja Mama Olangi”, que, por sua vez, também causou grandes prejuízos às famílias e comunidades além das fronteiras do seu país de origem. Por um lado, esta igreja sectária considera “o divórcio ou a separação dos noivos como resultado de um espírito maligno, com o qual ela mesma poderia lutar para salvar o casal”, lemos. Apesar de fingir ser contra o “espírito de divórcio”, essa igreja sectária “Mama Olangi” vê com desaprovação um casal em que um dos parceiros seja membro do seu grupo e o outro se recuse a sê-lo. Criticar os abusos cometidos pelos líderes deste grupo sectário era frequentemente visto como um crime de lesa-majestade, e os denunciantes eram vítimas de todos os tipos de assédio e ameaças, incluindo a ameaça de violência física. No entanto, o maior abuso que a igreja sectária “Mama Olangi” cometeu no Zaire durante a expansão da sua doutrina foi de acusar falsamente os familiares de bruxaria, sem provas nenhumas e sem base.

Quanto mais simpatizantes ganhava a seita “Mama Olangi”, e atraía especialmente personalidades influentes da alta classe política do Zaire na época, mais os seus abusos permaneciam sem consequências legais e as vítimas privadas de  justiça. Usando activamente falsas profecias, observou-se como crianças inocentes e desprotegidas eram caluniadas e acusadas de bruxaria e feitiçaria. As famílias, cujos filhos são falsamente acusados, rejeitam, portanto, essas crianças, que ficam mais tarde na rua, desprotegidas e deixadas à própria sorte. Foi, portanto, o início do fenómeno das “crianças feiticeiras”, a maioria crianças vitimizadas que se encontraram, de repente, nas ruas de várias capitais da República do Zaire. Ao longo dos anos, esse fenómeno piorou e as crianças menores começaram a passear sem abrigo em todos os lugares, rejeitadas pelas suas próprias famílias, o que também criou a tragédia das “crianças de rua”. Considerando esse aspecto de acusação falsa de bruxaria ou difamação contra um grupo dos mais vulneráveis da sociedade, deve-se dizer que essa prática herética seria o maior crime cometido pela seita “Mama Olangi” contra as crianças. Uma flagrante violação contra a Convenção dos Direitos das Crianças. Só que essa seita não é ou era a única a desintegrar as famílias e a difamar os cidadãos ou a violar os direitos das crianças. Mas porque é que os governantes fecharam os olhos?

Na República do Zaire, muitos outros grupos religiosos sectários daquele movimento de renovação espiritual, participaram numa competição, adotaram práticas heréticas, em particular para acusar falsamente famílias ou indivíduos de bruxaria e estarem na posse de demónios que tinham de ser exorcizado a todo custo por métodos não-ortodoxos, incluindo crianças. Além disso, na sua doutrina herética, a seita “Mama Olangi” também rejeitava categoricamente as tradições africanas, que colocavam a família alargada no centro como modelo duma sociedade unida e de partilha. Para os dois cônjuges, fundadores da seita “Mama Olangi”, exprimir a sua solidariedade ajudando os membros de sua família alargada ou, às vezes, de sua família restrita, significava estar possuído pelo “espírito de servidão”, que devia ser combatido por todos os meios, de acordo com a sua própria interpretação do evangelho. A doutrina deles é anti-solidária, quer dizer contra o humanismo. Finalmente, essa doutrina pseudoprofética “Olangi” dividiu as famílias e causou cada vez mais danos em todas as partes, onde, os seus fundadores, ambos já falecidos, gurus, a carregaram. E esse grupo sectário fez e continua a fazer milhares de vítimas. Quantas pessoas já morreram depois de fazer longos jejuns, aos quais os membros desta seita se impõem, sem o acompanhamento dos médicos e violando as normas? Ninguém sabe, e as autoridades competentes nem sequer estão interessadas nisso.

foto/rmc/ fachada da Igreja Universal…

Após a República do Zaire, cujo o regime mudara em 1997, tendo sido rebaptizado de República Democrática do Congo (RDC), os grupos sectários originários desse país vizinho, incluindo o de “Mama Olangi”, começaram a expandir-se significativamente em Angola. Com uma diáspora do Congo já muito grande e estabelecida em Angola, vimos surgir, entre 1992 e 1994, várias seitas religiosas seguindo a comunidade de migrantes congolesas que abriram lá os seus próprios locais de culto ou estabelecerem as suas sucursais. Foi assim, que a seita “Mama Olangi” chegou a Angola e como outros grupos religiosos sectários surgiram, a maioria dos quais fundada por cidadãos vindos directamente da RDC, tanto congoleses como angolanos. Esta tendência para criar o seu próprio grupo sectário em Angola foi ainda mais reforçada no período de 2002, não apenas com o fim das hostilidades entre os dois grandes beligerantes angolanos, mas principalmente após o boom dos lucros do petróleo. Além do petróleo, alguns procuravam diamantes e pretendiam instalar-se directamente nas Lundas. Assim, vimos aqueles que se autodenominavam “pastores” a praticar o comércio ilícito de pedras preciosas. Muitos fizeram fortuna e prosperaram. Como eles pregam: a chegada em Angola era realmente um “evangelho da prosperidade”; tudo o que eles precisavam fazer era abrir uma pequena igreja, com uma base teológica fraca ou mesmo sem base, especialmente nas Lundas; o maná dos garimpeiros sempre fluía nos bolsos. Para muitos, foi também a corrida do ouro em Angola. Motivados por interesses mercantilistas, certos líderes ou seguidores desses grupos religiosos do Congo estavam limitados a abrir suas igrejas ou congregações em Angola, que eles colocavam sob sua própria coordenação ou que controlavam diretamente à distância. Fora, possibilitando o fluxo de dólares, geralmente na forma de fuga de capital acumulado”. O mais comum e em todos os sermões, era o pagamento de “dízimos”, obrigatório para todos, mesmo para os mais pobres.

Acusação difamatória por meio de falsas alegações proféticas, tráfico de influências, burla e outros crimes.

Em Angola, entre os grupos sectários, que durante três décadas alimentaram discussões públicas sobre as suas práticas reprováveis ou por violações de certas leis, havia também nacionais de outros países e de outras crenças religiosas, que eram atraídos pelo famoso el dorado angolano. Entre os grupos sectários, existem tantos outros em Angola: Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), Hospital da Fé, Igreja Mensagem do Último tempo – Tabernáculo de Luanda (IMUT), etc. Todos esses grupos sectários têm o mesmo denominador comum: as suas prácticas atentam contra a dignidade humana ou a integridade física dos indivíduos e, em várias ocasiões, às vezes extorquem ou fazem chantagem. E, especialmente, não são as reclamações contra os autores de vários abusos, que faltam por parte de cidadãos e famílias lesadas, mas há uma falta de acção ou uma atitude de laissez-faire das instituições judiciais competentes, conforme denunciam as queixas das vítimas em todas as partes. Analisando certos casos de abusos cometidos por seitas religiosas em Angola, às vezes podemos dizer que o governo deste país é um cúmplice, e o caso da igreja da Igreja Universal (IURD) é uma boa ilustração disso.

Entre tráfico de influências e igreja como grande negócio de import & export Ltda.

Em várias ocasiões, ouvimos “pastores” da seita “Mama Olangi” e outros falsos profetas se declararem “próximos de tal e tal irmão ou sobrinho do Presidente da República Angolana”, uma posição privilegiada que “lhes daria o fácil acesso “ao Palácio do Rei e, especialmente, “facilita a intermediação de grandes negócios na aquisição de equipamentos e outros bens importados”, de que este país frequentemente precisa. Pura tráfico de influência, condenada pelas leis angolanas e também por outros países, tudo para enriquecer de forma rápida e fácil por meio das grandes provisões que geram esse tipo de negócio.

foto/rmc.

Eles correm muito atrás de Mamom, uma palavra hebraica que significa “dinheiro” ou “bens materiais” ou mesmo “qualquer entidade que prometa riqueza”, uma palavra “associada à busca gananciosa de ganho” e que “na Idade Média era frequentemente personificada e às vezes incluída nos sete príncipes do inferno.” Jesus Cristo não precisava estar perto dos homens fortes deste mundo para cumprir a missão do seu Pai, nem os apóstolos de Cristo, desde as primeiras horas, tinham qualquer necessidade ardente de acumular bens materiais. Naquela época, os grandes servos de Cristo, mencionados no Novo Testamento, partiram para a ambiciosa busca de ganhos e lucros, como demonstrado hoje pelos líderes das seitas religiosas. Além disso, o próprio Jesus Cristo, ao falar directamente ao seus discípulos e ao ensiná-los a orar e como se comportar, esclareceu essa questão no livro de Mateus 6 : 24, dizendo: “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom.”

Acusação difamatória por meio de falsas alegações proféticas, manipulação de pessoas em situação de fraqueza, video-blogueiros ou jornalistas atacados, vítimas com medo de serem intimidadas ou ameaçadas.

Outro grupo sectário, actualmente em manchete na media em Angola, é a chamada “Igreja Mensagem do Último Tempo”, conhecida como igreja IMUT, de outro “pastor autoproclamado” identificado como Sr. Fernando Kamalandua, objecto de várias queixas de cidadãos feridos pelo seu comportamento difamatório e de incitação a conflitos entre famílias e comunidades. Analisando as queixas dos cidadãos feitas contra o homem à frente desse grupo religioso, dir-se-á que o Sr. Fernando Kamalandua está no centro de um escândalo que expõe o caráter herético da sua igreja para colocá-lo na categoria de todas essas seitas abusivas que operam em toda parte de Angola. Como todos os outros “falsos profetas” já mencionados, Fernando Kamalandua tem a mesma abordagem para alcançar os seus objectivos: dividir famílias, comunidades ou sociedade, para ter total controlo sobre os indivíduos. Fernando Kamalandua usa falsas profecias, acusando os pais ou familiares de pessoas de bruxaria, que o contactam com os seus problemas e dificuldades, então ele consegue conquistar essas pessoas em seu momento de fraqueza, que acabam aderindo a ess igreja sectária: IMUT, confidenciou um ex-membro lesionado que abandonou esse grupo. Várias pessoas que deixaram esse grupo sectário estão contando a mesma história”. Muitos dos ex-membros foram confrontados pelo mesmo uso de falsas profecias e, nos casos consultados, Fernando Kamalandua acusou respectivamente os seus pais de serem feiticeiros, que também seriam responsáveis ​​pelas suas dificuldades ou problemas”. Na maioria desses casos, essas pessoas em busca do “conselho espiritual” acabaram acreditando cegamente no falso profeta Fernando Kamalandua, embora essas acusações não tenham fundamento, ou seja, simples calúnia e difamação. Acusações prejudiciais contra os seus próprios procriadores. Que abominação? Por definição, Fernando Kamalandua é um “pseudoprofeta”, ou um indivíduo “que se apresenta como um profeta divinamente inspirado, anuncia coisas falsas, fazendo-as passar por profecias divinas”.

A lista de reivindicações e vítimas desse “pseudoprofeta”, Fernando Kamalandua é longa. Se algumas vítimas ousam levantar a voz, outras preferem permanecer em silêncio com medo de represálias, ameaças e intimidações, que o “pseudoprofeta” Fernando Kamalandua e os seus seguidores fanáticos proferem directamente contra os denunciantes. O “pseudoprofeta” Fernando Kamalandua acredita-se, assim, mais forte, capaz de ameaçar todos. Até a equipa de jornalistas duma televisão privada angolana foi atacada pelos seus seguidores fanáticos, enquanto os repórteres tentavam cobrir um protesto em frente à igreja. Até hoje, Fernando Kamalandua pode contar com a impunidade que lhe é garantida, provavelmente considerando as suas relações  com certos homens fortes do regime ou porque esta seita conta entre os seus fiéis membros, deputados da Assembleia Nacional angolana? “Se a justiça prevalecesse em Angola, Fernando Kamalandua já teria sido julgado, condenado e removido da liderança desta igreja sectária do IMUT por vários abusos e violações graves de normas legais e religiosas”, disse outro ex-membro, que também prefere anonimato e “até se recusa a chamá-lo de pastor hoje”. Ao acusar falsamente os “feiticeiros” dos procriadores de seus membros, muitos tendo entendido mais tarde e depois abandonado sua caixa, Fernando Kamalandua é um “pastor” como ele afirma? Outro ex-membro, ainda anónimo, denuncia: “Não, Fernando Kamalandua não é pastor e muito menos profeta, mas ocultista e manipulador”.

foto/página oficial do Youtube da seita IMUT.

Há dois anos, o caso de uma grande figura emblemática da sociedade angolana estava nas manchetes de Angola e nas redes sociais. É o caso do famoso professor angolano de psicologia, Carlinhos Zassala, que a media chamam de “pai da psicologia angolana”. O professor universitário e psicólogo, Carlinhos Zassala, também foi vítima de calúnias e alegações difamatórias por parte desse “pseudoprofeta” Fernando Kamalandua da seita IMUT de Angola. Como o professor Carlinhos Zassala, também sindicalista muito respeitado em Angola, foi vítima do “pseudoprofeta” Fernando Kamalandua e de seus fanáticos, que incitam a filha do psicólogo a até mesmo humilhar na imprensa o seu procriador? Não é Deus quem nos exige no Quinto Mandamento, Êxodo 20:12, dizendo: “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá.”?

Todo o escândalo começou no dia em que a Senhora Evelina Zassala, filha do psicólogo, consultou o “pseudoprofeta” Fernando Kamalandua para lhe contar sobre a sua crise de vida e que esse pastor herético disse que estava inspirado por Deus e acabou acusando o professor de “feiticeiro”, de pessoa encarregada da chamada “maldição de seus filhos”, advogado graduado, treinando às custas do seu próprio pai. O “pseudoprofeta” Fernando Kamalandua tornou-se líder daquela igreja de tendência branhamista em Angola, denominada “Igreja Mensagem do Último Tempo” (IMUT), classificada como seita de acordo com o site francês de observação e proteção contra os abusos sectários Vigi-Sectes, no ano de 2018. O “pseudoprofeta” conseguiu atrair a jovem para o seu lado, tornando-se membro fiel das suas práticas sectárias, Senhora Evelina Zassala começou a ignorar um comando divino de grande importância, que se encontra tanto Antigo como no Novo Testamento. Efésios 6: 1-3 esclarece ainda mais pedindo: “Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa, para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra.” Esta mensagem clara, está endereçada a todos os “pseudoprofetos” das seitas que enganam os povos e saquearam por toda parte em Angola e em África, neste caso concreto a mensagem vai ao pseudoprofeta difamatório Fernando Kamalandua, aos seus seguidores fanáticos e especificamente à filha do professora, Senhora Evelina Zassala. A todos vocês que seguem cegamente os “pseudoprofetas” e esses falsos doutores: Parem de desonrar e humilhar os vossos  pais e mães!

O que aconteceu para que Evelina Zassala se rebelasse contra o seu procriador, o Professor, e desonrá-lo diante das câmeras e do mundo? Tudo começou com uma falsa profecia. Deve-se notar que, na doutrina da seita branhamista, eles acreditam em milagres e, especialmente, em profecias. Além disso, eles realmente não admitem a trindade. Acontece que esta seita já havia, desde a sua criação, anunciada uma falsa profecia, que previa o fim do mundo em 1974. Naquela época, foi o fundador desta seita, William M. Branham, que anunciou essa “pseudoprofecia”, mas morreu por acidente em Dezembro 1965, antes mesmo da data profetizada com falsas alegações sobre o fim do mundo, que nunca chegou. No Evangelho de Marcos 13, o próprio Jesus Cristo adverte todos os crentes sobre o surgimento de falsas profecias e pede vigilância, no capítulo 5. No mesmo livro, capítulo 32, Cristo admite, até, não saber a hora ou o dia em que o fim do mundo chegará, declarando aos seus apóstolos: “Quanto ao dia e à hora ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, senão somente o Pai”. Deus é o único que sabe quando chegará o fim do mundo. Então qualquer pessoa neste mundo, que anuncia o fim do mundo, é um falso profeta e um grande enganador, disse Cristo. Nesse “Caso Evelina Zassala”, rebelando-se contra o seu próprio pai após uma falsa alegação da mesma seita das pseudoprofecias, a pessoa desta vez por trás desse grande escândalo chama-se Fernando Kamalandua, um auto-proclamado “profeta”.

[:]